O Empreendedorismo e a Gestão assertiva

A crescente relevância da palavra “Empreendedorismo” por força dos tempos modernos, tem potenciado ativamente a capacidade de iniciativa de muitas pessoas e consequentemente, criar os seus próprios negócios.

É certo que para ser empreendedor é essencial gostar de correr riscos, aceitar desafios e superar obstáculos mas também tem de prevalecer a ponderação na tomada de decisões relacionados com a gestão. Traçar um plano de negócio minucioso e consciente e definir um sistema viável de controlo de custos balanceado com uma estimativa realística de ganhos.
Os primeiros tempos duma empresa são primordiais para garantir a sua sobrevivência, sendo que os erros no planeamento estratégico, as expectativas que não se concretizam e dificuldades de tesouraria são alguns dos principais problemas que podem ditar uma falência. Para contrariar esta tendência, é necessário estar permanentemente atento, identificar erros e corrigi-los em tempo útil.

As áreas vitais para o funcionamento duma organização requerem serviços de consultoria especializada: contabilidade, assuntos de natureza legal, “software” de faturação e gestão empresarial, comunicação e marketing incluindo a construção e manutenção de websites e gestão de redes sociais. O conjunto destes serviços representam custos importantes que irão pesar no orçamento da empresa e até colocar em risco o equilíbrio financeiro.

Contrariando esta realidade, as “startups” e PMEs devem sim manter a assessoria externa de qualidade e imprescindível, mas optando por uma prestação de serviços ajustada às necessidades e objetivos e num regime “low cost”. Por exemplo, no que concerne à informática, existem diversas soluções que correspondem às expectativas das empresas e são disponibilizadas gratuitamente ou a custos muito reduzidos.

São várias as ferramentas à disposição de quem está à frente de uma empresa, tal como os incentivos estatais que podem ser um importante suporte na arte de gerir e fazer crescer um negócio, nomeadamente o novo Quadro 2014-2020 de fundos comunitários que atribui a maior parcela às Pequenas e Médias Empresas (PME) e à competitividade da economia.

Neste contexto de empreendedorismo baseado em gestão assertiva que aliado à ambição de conquistar uma posição privilegiada no mercado alvo, quer nacional e/ou internacional, estão reunidas as condições de sustentabilidade rumo ao sucesso.

Elisabete Gonçalves
Consultora BPHL Assessoria de Aplicações Informáticas e Marketing Digital
2014/06/05, Artigo de Opinião publicado n' O Jornal do Neiva - Seja um leitor assíduo, acompanhe mensalmente!